o instituto Pesek-Araujo

O Instituto Pesek-Araujo para a proteção da natureza é uma Organização Não Governamental

criada em 2008.

A área de atuação do Instituto é a Zona de Amortecimento dos Parques Estaduais do Vale do Alto Ribeira, localizado no sul do Estado de São Paulo, Brasil.

Nossa atuação consiste em realizar monitoramento para impedir ações que prejudiquem a floresta, fortalecendo assim a Zona de Amortecimento, que é fundamental para formar um “escudo protetor”

ao redor dos Parques Naturais.

O monitoramento é feito através do emprego de “mateiros”, pessoas que nasceram e cresceram na região e tem um profundo conhecimento da floresta.

Atualmente protegemos 2.400 alqueires de Mata Atlântica, quase 60 milhões de metros quadrados.

O Brasil tem muitas regras e leis, mas tem pouca fiscalização.
É comprovado que quando aumenta a fiscalização diminui o desmatamento e as outras agressões.

Ao longo de 10 anos o Instituto Pesek-Araujo combateu:

- Perda de habitat de espécies nativas da fauna e da flora;

- Mineração ilegal;
- Introdução de novos predadores;
- Introdução de espécies exóticas;

- Mudança climática localizada;

- Pesca ilegal;
- Drenagem de brejos;
- Destruição de nascentes;

- Supressão da vegetação ao longo de corpos d’água

- Poluição da água;
- Poluição química;
- Desmatamento;

- Corte ilegal de madeira;
- Corte de palmeira juçara para comércio ilegal de palmito;

- Comércio ilegal de espécies da flora,
- Contrabando de animais;
- Caça;
- Perda de presas;
- Turismo destrutivo;
- Invasões de posseiros;
- Agricultura em áreas de preservação;
- Queimadas;
- Excesso de pastos;

Nosso trabalho é cada vez mais importante e cada vez mais desafiador.
Ao longo de 10 anos de trabalho temos tido resultados notáveis como:

- Aumento da população de espécies da fauna nativa, como onças, antas, pacas, tamanduás, macacos, jacus, jacutingas, arapongas, corocochós, pavós, macucos, gaviões-pega-macaco, sabiá-ciça, araçaris-banana, maria- leque-do-sudeste, aranhas caranguejeiras raras, entre tantas outras;
- Aumento da população de espécies da flora nativa, como palmeira juçara, canela sassafrás, canela-

preta, cedro-rosa, araucária, copaíba, gabiroba, araçá, pêssego bravo, figueira brava, fruta de sabiá, aroeira pimenteira,cabreúva, imbuia, louro, ipê, peroba, orquídeas, bromélias, entre muitas outras;
- Impedimos desmatamentos e corte ilegal de madeira, evitando assim a perda de habitat de espécies da fauna e da flora e mudança climática localizada;

- Diminuímos o excesso de pasto permitindo a regeneração de mata nativa pioneira e secundária;

- Impedimos corte ilegal de palmeiras juçara;
- Evitamos a caça e a pesca ilegal;
- Protegemos presas de espécies caçadoras;

- Impedimos turismo destrutivo;
- Evitamos drenagem de brejos, poluição química e poluição da água; 

- Impedimos agricultura em áreas de preservação;
- Impedimos a destruição de nascentes;
- Impedimos o desmatamento ao longo de corpos d’água;
- Barramos mineração ilegal;
- Evitamos introdução de espécies predadoras e exóticas;
- Impedimos contrabando de animais,
- Evitamos queimadas;
- Impedimos invasões de posseiros.